Search
pt-bren

Passei a maior parte da minha juventude focada nos estudos, no que seria quando crescer.

É sorte, benção e trabalho duro, isso de poder ter a chance de estudar nos melhores lugares, trabalhar ao redor do mundo, falar mais de quatro línguas.

Passei, também, a maior parte da juventude evitando ao máximo falar sobre filhos. Deus que me livre.

Não nasci pra isso, nasci pra ser forte, dona da minha vida, independente. Não nasci pra ser mamãezinha, não fui incentivada a brincar de casinha. Eu, assim como tantas mulheres que conheço, fui criada para não pensar no dia que me casaria, teria filhos, trocaria fraldas, cozinharia o jantar, brincaria de faz de conta. Fomos treinadas para negar afeto, fazer cara feia para crianças, desejar tudo menos engravidar sem querer do namorado.

A maternidade é um mito, algo impronunciável, que deve ser tratado com delicadeza. Um ponto de exclamação a mais já é motivo para acharem que você perdeu o foco da sua suada carreira e estudos. Um apego a mais com o bebê de uma conhecida já é motivo para bater na madeira três vezes para afastar o azar de acontecer com você na hora errada. Porque é sempre a hora errada. Sempre tem um curso a mais, um cargo, uma conta, um amor, uma viagem. Nós fomos criadas para nos darmos ao luxo, quero dizer, a fraqueza, de criarmos uma família.

Prefiro acreditar que não é por mal, fomos criados assim. Fomos criados para calcular: casada com filhos é positivo, sem emprego é esposinha, com emprego ora é batalhadora, ora é ausente. Solteira com filhos tá no vermelho, com emprego é esforçada, sem emprego é coitada. Casada sem filhos, fria. Solteira sem filhos, ninguém quis. Fomos criadas para sermos o que quisermos, contanto que toda a sociedade esteja de acordo. Fomos criadas para provar que somos capazes de tudo, que temos um plano mas que não temos plano nenhum, esquece isso, mulher independente de verdade não depende de plano nenhum nem de ninguém pra ser tudo que quer ser.

Passei todos esses anos da minha vida achando que, quando se torna mãe, ou você odeia a maternidade e só consegue reclamar dos filhos ou você é a mãe perfeita sempre calma com respostas para tudo. Ninguém te conta que existe infinitas possibilidades de maternidade e que elas vão mudando conforme você vai amadurecendo. Passamos a vida acreditando que depois dos filhos acabou a liberdade porque ninguém está disposto a libertar a maternidade. Muitos falam em feminismo mas poucos deixam as mulheres serem quem elas querem ser, como e na hora que querem ser.

Me falaram, algumas vezes, que eu tenho que voltar logo a trabalhar, pois é um desperdício alguém tão inteligente só ser mãe. Não foi por mal, eu sei, mas desperdício? Cientistas no mundo inteiro trabalhando na inteligência artificial enquanto eu e todas as mães desse mundo, geraram dentro de si a mais pura inteligência. Se hoje as noites em claro são longe das bibliotecas e escritórios, é porque confortar uma criança e dar segurança a ela é tão nobre quanto qualquer outro trabalho, remunerado em uma moeda tão abstrata que, até hoje, poucas pessoas sabem valorizar.

É sorte, benção, trabalho duro, isso de poder usar minha inteligência para criar o futuro, que hoje chamo de filha.

2.Comments

  1. Verônica
    outubro 12, 2018 / Reply

    Que lindo e real esse texto. Me vi nele. Hoje o desejo de ser Mãe está distante.. Por todos esses temas colocados. Nunca será o momento certo, sempre vai ter algo a ser feito. Sempre. É um deixar fluir, sentir, intuir.. Obrigada pelas palavras tão verdadeiras. É um sentimento de não estar sozinha em tudo isso.

    • dezembro 6, 2018

      Que incrível saber que se identificou Verônica! <3

Leave a Comment